Tempos modernos, novos partos e novas parteiras: o parto no japão de 1868 aos anos 1930 Reportar como inadecuado




Tempos modernos, novos partos e novas parteiras: o parto no japão de 1868 aos anos 1930 - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Revista Estudos Feministas 2002, 10 (2)

Autor: Aya Homei

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Revista Estudos Feministas ISSN: 0104-026X ref@cfh.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Homei, Aya Tempos modernos, novos partos e novas parteiras: o parto no Japão de 1868 aos Anos 1930 Revista Estudos Feministas, vol.
10, núm.
2, jul.-dic., 2002, pp.
429-440 Universidade Federal de Santa Catarina Santa Catarina, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=38110212 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto TEMPOS MODERNOS, NOVOS PARTOS E NOVAS PARTEIRAS: O PARTO NO JAPÃO DE 1868 AOS ANOS 1930 AYA HOMEI University of Manchester R esumo esumo: As shin-sanba, ou ‘novas parteiras’ medicalizadas, que apareceram durante o período Meiji (1868–1912) no Japão, parecem ter, aos olhos atuais, substituído rapidamente e sem conflito as ‘velhas parteiras’ (kyû-sanba) e as cada vez mais criminalizadas ‘parteiras não licenciadas’ (mumenkyo-sanba), enquanto a profissão de parteira foi se desenvolvendo progressivamente como profissão médica moderna.
Este artigo sugere que a história das parteiras na era moderna foi mais complexa do que aquilo que se imagina atualmente.
Primeiro, o surgimento e a prosperidade das shin-sanba estiveram intrinsecamente ligados às contingências do Japão moderno e ao inter-relacionamento de vários grupos de atores históricos – autoridades da higiene, sankai (ginecologistas-obstetras), outras parteiras e ‘clientes’. Segundo, ao longo da era moderna, as shin-sanba não substituíram outros tipos de parteiras; na verdade, os diferentes tipos co-existiram.
Por fim, a existência e o status das parteiras dependeram em grande parte de um mercado de serviços de saúde marcado pelo laissezfaire, e as realidades desse mercado muitas vezes contradiz...





Documentos relacionados