Reseña de -eles eram muito cavalos- de luiz ruffato Reportar como inadecuado




Reseña de -eles eram muito cavalos- de luiz ruffato - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Diálogos Latinoamericanos 2005, (10)

Autor: Laeticia Jensen Eble

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Diálogos Latinoamericanos Universidad de Aarhus romcm@hum.au.dk ISSN (Versión impresa): 1600-0110 LATINOAMERICANISTAS 2005 Laeticia Jensen Eble RESEÑA DE -ELES ERAM MUITO CAVALOS- DE LUIZ RUFFATO Diálogos Latinoamericanos, número 010 Universidad de Aarhus Aarhus, Latinoamericanistas Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal Universidad Autónoma del Estado de México http:--redalyc.uaemex.mx Diálogos Latinoamericanos 10 Ruffato, Luiz.
Eles eram muito cavalos.
São Paulo: Boitempo, 2001. Laeticia Jensen Eble* “Cada qual vê o que quer, pode ou consegue enxergar. Porque eu sou do tamanho do que vejo e não do tamanho da minha altura.” (Fernando Pessoa, Tudo são maneiras de ver) Quando escrevemos sobre nós mesmos estamos construindo um olhar sobre nós, fazemos escolhas (protegemo-nos, censuramo-nos, ocultamos dados negativos, etc) do que será dito em função de como queremos que os outros nos vejam, a imagem que queremos que tenham de nós.
Esse olhar, portanto, não é “inocente”. Quando escrevemos sobre o outro, os olhares se diversificam, construímos a nossa visão sobre o outro com a parcialidade com que o vemos,aliada à intenção que queremos incutir na imagem que dele fazemos ao receptor (leitor).
O receptor por sua vez apreenderá a imagem do outro primeiramente buscando a partir de seu próprio imaginário, e em seguida sujeito a novas construções a partir da interpretação da imagem que lhe entregamos.
Porém, e em função disso, esses olhares (o universo ficcional), nunca alcançarão a dimensão do objeto real.
Segundo Barthes1, o real é “uma ordem pluridimensional”e a linguagem (literatura), é “uma ordem unidimensional”.
Para ele, a literatura é realista na medida em que sempre tem o real por objeto de desejo; e é obstinadamente irrealista por acreditar sensato o desejo do impossível.
“A (segunda) força da literatura, é sua força de representação.
Desde os tempos ant...





Documentos relacionados