Efeitos econômicos de diferentes programas de desbaste em povoamentos de pinus elliottii Reportar como inadecuado




Efeitos econômicos de diferentes programas de desbaste em povoamentos de pinus elliottii - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Irene Seling ;Ciência Florestal 2000, 10 (1)

Autor: Peter Spathelf

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Ciência Florestal ISSN: 0103-9954 cf@ccr.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Spathelf, Peter; Seling, Irene Efeitos econômicos de diferentes programas de desbaste em povoamentos de pinus elliottii Ciência Florestal, vol.
10, núm.
1, 2000, pp.
21-44 Universidade Federal de Santa Maria Santa Maria, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=53400102 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Ciência Florestal, Santa Maria, v.10, n.1, p.21-44 ISSN 0103-9954 21 EFEITOS ECONÔMICOS DE DIFERENTES PROGRAMAS DE DESBASTE EM POVOAMENTOS DE Pinus elliottii ECONOMIC EFFECTS OF DIFFERENT THINNING PROGRAMS of Pinus elliottii Peter Spathelf1 Irene Seling2 RESUMO Foi estudado o efeito de diferentes programas de desbaste (desbaste leve, médio e pesado) em povoamentos de Pinus elliottii sobre a rentabilidade calculada por meio da taxa interna de retorno.
Os povoamentos amostrados foram plantados no ano 1976 em espaçamento de 2 X 2 m.
A determinação da intensidade de desbaste foi feita mediante o índice de densidade de Reinecke (SDI). O volume desbastado foi avaliado conforme os sortimentos de Pinus elliottii segundo a tabela de produção de SCHNEIDER & OESTEN (1991) e os custos-preços do ano 1998 fornecidos pela AGEFLOR, Porto Alegre.
A maior taxa interna de retorno obteve-se em desbaste leve com 15 anos de rotação e uma densidade inicial de 2.500 árvores por hectare.
A menor taxa interna de retorno também ocorreu com desbaste leve, mas em 45 anos e com uma densidade no plantio de 1.500 árvores.
No geral, a taxa interna de retorno diminuiu com o aumento do período de rotação.
Uma análise de sensibilidade mostrou que o preço obtido pela madeira é a variável mais sensível por infl...





Documentos relacionados