Um método para condução de inventários florestais sem o uso de equações volumétricas Reportar como inadecuado




Um método para condução de inventários florestais sem o uso de equações volumétricas - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Valdir Carlos Andrade Lima de ;Revista Árvore 2002, 26 (3)

Autor: Helio Leite Garcia

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Leite Garcia, Helio; Andrade Lima de, Valdir Carlos Um método para condução de inventários florestais sem o uso de equações volumétricas Revista Árvore, vol.
26, núm.
3, maio-junho, 2002, pp.
321-328 Universidade Federal de Viçosa Viçosa, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=48826307 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto 321 Um Método para Condução de Inventários Florestais sem . UM MÉTODO PARA CONDUÇÃO DE INVENTÁRIOS FLORESTAIS SEM O USO DE EQUAÇÕES VOLUMÉTRICAS1 Helio Garcia Leite2 e Valdir Carlos Lima de Andrade3 RESUMO - Neste trabalho foram conduzidos testes preliminares sobre o uso do método altura relativa, desenvolvido originalmente por Andrade & Leite (1997), para condução de inventário florestal.
O método proposto foi comparado com um dos métodos usuais, que consiste em medir o diâmetro de todas as árvores, a altura de cerca de 15 árvores e a altura de cerca de cinco árvores dominantes por parcela.
Para processamento desses dados são utilizadas equações hipsométricas e volumétricas, sendo estas últimas geradas com dados de cubagem de árvores no povoamento.
No método da altura relativa são utilizados apenas dados obtidos nas parcelas, não sendo necessário cubar árvores no povoamento.
Os dados de quatro parcelas e de 277 árvores-amostra foram utilizados para comparação das duas metodologias (usual e altura relativa).
Os volumes estimados pelos dois métodos foram iguais (156,21 e 156,19 m3-ha).
Portanto, pode-se concluir que o método alternativo é promissor, resultando ainda em algumas vantagens, como: redução do número de alturas medidas nas par...





Documentos relacionados