Resistência natural da madeira de corymbia maculata (hook.) k.d.hill & l.a.s. johnson a fungos e cupins xilófagos, em condições de laboratório Reportar como inadecuado




Resistência natural da madeira de corymbia maculata (hook.) k.d.hill & l.a.s. johnson a fungos e cupins xilófagos, em condições de laboratório - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Revista Árvore 2002, 26 (6)

Autor: Juarez Paes Benigno

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Paes Benigno, Juarez Resistência natural da madeira de corymbia maculata (hook.) k.d.hill & l.a.s.
johnson a fungos e cupins xilófagos, em condições de laboratório Revista Árvore, vol.
26, núm.
6, novembro-dezembro, 2002, pp.
761-767 Universidade Federal de Viçosa Viçosa, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=48826612 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto 761 Resistência Natural da Madeira de Corymbia maculata . RESISTÊNCIA NATURAL DA MADEIRA DE Corymbia maculata (Hook.) K.D.Hill & L.A.S.
Johnson A FUNGOS E CUPINS XILÓFAGOS, EM CONDIÇÕES DE LABORATÓRIO1 Juarez Benigno Paes2 RESUMO - A pesquisa teve o objetivo de avaliar a resistência natural da madeira de Corymbia maculata a fungos e a cupins xilófagos, em condições de laboratório.
De peças radiais (tábuas) que continham o cerne e o alburno intactos foram retirados corpos-de-prova de 2,00 x 2,00 x 1,00 cm, com a menor dimensão na direção tangencial (ensaio com fungos), e de 2,54 x 2,00 x 0,64 cm, com a maior dimensão na direção das fibras (ensaio com cupins), em quatro posições na direção medula-casca.
As amostras foram submetidas à ação dos fungos Postia placenta, Neolentinus lepideus e Polyporus fumosus por 12 semanas, ou à ação de cupins do gênero Nasutitermes por 30 dias. Constatou-se que a resistência da madeira ao apodrecimento foi dependente da posição na direção medula-casca e dos fungos utilizados.
As amostras retiradas nas posições mais externas do tronco foram mais deterioradas que as internas.
Dentro de cada posição, os fungos causaram deterioração semelhante à madeira, exceto para a posição ...





Documentos relacionados