Estrutura diamétrica da comunidade e das principais populações arbóreas de um remanescente de floresta atlântica submontana (silva jardim-rj, brasil) Reportar como inadecuado




Estrutura diamétrica da comunidade e das principais populações arbóreas de um remanescente de floresta atlântica submontana (silva jardim-rj, brasil) - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Marcelo Trindade Nascimento ;Revista Árvore 2009, 33 (2)

Autor: Fabrício Alvim Carvalho

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Alvim Carvalho, Fabrício; Trindade Nascimento, Marcelo Estrutura diamétrica da comunidade e das principais populações arbóreas de um remanescente de Floresta Atlântica Submontana (Silva Jardim-RJ, Brasil) Revista Árvore, vol.
33, núm.
2, abril, 2009, pp.
327-337 Universidade Federal de Viçosa Viçosa, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=48813388014 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto 327 Estrutura diamétrica da comunidade e das … ESTRUTURA DIAMÉTRICA DA COMUNIDADE E DAS PRINCIPAIS POPULAÇÕES ARBÓREAS DE UM REMANESCENTE DE FLORESTA ATLÂNTICA SUBMONTANA (SILVA JARDIM-RJ, BRASIL)1 Fabrício Alvim Carvalho 2 e Marcelo Trindade Nascimento3 RESUMO – O objetivo deste trabalho foi avaliar a estrutura diamétrica arbórea de um remanescente de Floresta Atlântica Submontana no Município de Silva Jardim, RJ.
Foram utilizadas 20 parcelas de 100 x 5 m, em que todas as árvores com DAP ≥ 5 cm foram amostradas.
A estrutura diamétrica foi analisada em toda a comunidade e nas principais populações (determinadas segundo o VI), a partir de histogramas com intervalos de classes definidos pela fórmula de Spiegel.
A análise também considerou os grupos sucessionais das espécies (pioneiras: PI; secundárias iniciais: SI; e secundárias tardias: ST).
As curvas (J-reverso) e valores do quociente “q” indicaram ausência de problemas de regeneração das principais populações, a maioria de espécies SI.
Entretanto, foi observada tendência de saída de algumas das principais populações de ST (ex.
Plathymenia foliolosa e Euterpe edulis), paralelamente à entrada de outras SI.
Os resultados compl...





Documentos relacionados