Propagação vegetativa de cedo-australiano (toona ciliata m. roemer) por miniestaquia Reportar como inadecuado




Propagação vegetativa de cedo-australiano (toona ciliata m. roemer) por miniestaquia - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Deborah Guerra Barroso ; José Geraldo de Araújo Carneiro ; Silvio Lopes Teixeira ; Ernando Balbinot ;Revista Árvore 2009, 33 (2)

Autor: Jonicélia Cristina Araújo Vieira de Souza

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Araújo Vieira de Souza, Jonicélia Cristina; Guerra Barroso, Deborah; Araújo Carneiro, José Geraldo de; Lopes Teixeira, Silvio; Balbinot, Ernando Propagação vegetativa de cedo-australiano (Toona ciliata M.
Roemer) por miniestaquia Revista Árvore, vol.
33, núm.
2, abril, 2009, pp.
205-213 Universidade Federal de Viçosa Viçosa, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=48813388002 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto 205 Propagação vegetativa de cedro-australiano (Toona ciliata … PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE CEDRO-AUSTRALIANO (Toona ciliata M. Roemer) POR MINIESTAQUIA 1 Jonicélia Cristina Araújo Vieira de Souza2, Deborah Guerra Barroso3, José Geraldo de Araújo Carneiro3, Silvio Lopes Teixeira3 e Ernando Balbinot2 RESUMO – O método de propagação usual do cedro-australiano (Toona ciliata) é via seminal, entretanto a oferta sazonal das sementes e sua curta viabilidade ao longo do tempo representam um problema para a produção contínua de mudas destinadas à implantação de povoamentos.
Este trabalho foi conduzido com o objetivo de avaliar a viabilidade da propagação vegetativa da espécie por miniestaquia e a necessidade da aplicação de acido indolbutírico (AIB) para o enraizamento das miniestacas.
A partir de um banco de estacas de origem seminal, foram obtidas brotações para produção de mudas clonais, em três diferentes épocas de coleta (2,5; 4,5; e 5,5 meses após a recepa das mudas).
Antes do estaqueamento, as miniestacas tiveram suas bases imersas em quatro concentrações de AIB (0; 1.500; 3.000; e 4.500 mg L-1).
Durante o experimento, obtiveram-se 100% de sobrevivência das...





Documentos relacionados