A política da beleza: nacionalismo, corpo e sexualidade no projeto de padronização brasílica Reportar como inadecuado




A política da beleza: nacionalismo, corpo e sexualidade no projeto de padronização brasílica - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Diálogos Latinoamericanos 2000, (1)

Autor: Maria Bernardete Ramos Flores

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Diálogos Latinoamericanos ISSN: 1600-0110 au@au.dk Aarhus Universitet Dinamarca Bernardete Ramos Flores, Maria A política da beleza: nacionalismo, corpo e sexualidade no projeto de padronização brasílica Diálogos Latinoamericanos, núm.
1, 2000, pp.
88-109 Aarhus Universitet Aarhus, Dinamarca Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=16200108 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Diálogos Latinoamericanos A Política da Beleza Nacionalismo, corpo e sexualidade no projeto de padronização brasílica Maria Bernardete Ramos Flores1 Renato Kehl, médico psicólogo; Hernani de Irajá, artista plástico e médico sexólogo; e muitos outros intelectuais, e políticos, educadores, religiosos, juristas, artistas, jornalistas, antropólogos, propagandearam a eugenia no Brasil, seus métodos e suas vantagens para dar uma nova direção ao focus que iluminava a interpretação da cultura brasileira.
Se a fealdade, traçada nas tintas e na escrita do Brasil por viajantes e cientistas estrangeiros do século XIX, era representativa de nossa não-civilidade e de nossa identidade às avessas, a eugenia continha os meios para embelezar e aperfeiçoar nosso tipo étnico em formação.
Hernani de Irajá,2 entre as décadas de 1920 e 1940, produziu extensa obra, ilustrada com sua própria arte — desenho e fotografia de corpos nus -, para indicar os meios pelos quais a mulher brasileira poderia atingir os cânones da beleza clássica.
Renato Kehl,3 seu contemporâneo, grande defensor da eugenia no Brasil, no livro A cura da fealdade, diz que seu desiderato era oferecer a médicos e educadores os meios para -melhorar o corpo humano, aformozeá-lo, corrigir defeitos, restaurar a saúde, alcançando assim esse bem supr...





Documentos relacionados