Reseña de -histórias do cotidiano- de mary del priore Reportar como inadecuado




Reseña de -histórias do cotidiano- de mary del priore - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Diálogos Latinoamericanos 2002, (5)

Autor: Maria Helena da Nóbrega

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Diálogos Latinoamericanos ISSN: 1600-0110 au@au.dk Aarhus Universitet Dinamarca Nóbrega, Maria Helena da Reseña de -Histórias do cotidiano- de Mary Del Priore Diálogos Latinoamericanos, núm.
5, 2002, pp.
134-137 Aarhus Universitet Aarhus, Dinamarca Disponible en: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=16200509 Cómo citar el artículo Número completo Más información del artículo Página de la revista en redalyc.org Sistema de Información Científica Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal Proyecto académico sin fines de lucro, desarrollado bajo la iniciativa de acceso abierto Diálogos Latinoamericanos Del Priore, Mary.
Histórias do cotidiano.
São Paulo, Contexto, 2001.
127pp. Maria Helena da Nóbrega* Nesta obra, Mary Del Priore trata de temas do cotidiano e busca neles a simplicidade por vezes ignorada.
Assim, ela afasta-se de assuntos novos e inusitados, tão caros à academia, e opta por uma conversa com o leitor sobre as banalidades do cotidiano.
Claro que sua formação como historiadora, com doutorado realizado na Universidade de São Paulo, permeia esse diálogo, mas o fato é que o texto, liberto das imposições que o discurso acadêmico impõe, toca o leitor mais de perto, dialoga com ele e o conduz a um passeio em meio a reflexões que são também históricas, embora não sejam herméticas tampouco enfadonhas. O estilo redacional, portanto, é o primeiro aspecto positivo deste livro.
Conversando com o leitor, a autora situa a história não como algo distante dele, mas faz com que o leitor aproxime-se da história e sinta-se sujeito que interfere na construção dela, e não mero observador passivo.
O desejo de conscientização do leitor explicita-se em vários momentos da obra, por exemplo: -Falo mal da Barbie para lembrar a mães, educadoras, psicólogas e professoras que somos responsáveis pela construção da subjetividade de nossas meninas.
Mas a futilidade de Barbie não exclui a sua uti...





Documentos relacionados