A recepção dos códices de nag hammadi: gnose e cristianismo no egito romano da antiguidade tardia. Reportar como inadecuado




A recepção dos códices de nag hammadi: gnose e cristianismo no egito romano da antiguidade tardia. - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Louis Painchaud ;Antíteses 2015, 8 16

Autor: Julio Cesar Dias Chaves

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Antíteses ISSN: 1984-3356 hramirez1967@yahoo.com Universidade Estadual de Londrina Brasil Dias Chaves, Julio Cesar; Painchaud, Louis A Recepção dos Códices de Nag Hammadi: Gnose e Cristianismo no Egito Romano da Antiguidade Tardia. Antíteses, vol.
8, núm.
16, julio-diciembre, 2015, pp.
89-110 Universidade Estadual de Londrina Londrina, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=193343476007 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto DOI: 10.5433-1984-3356.2015v8n16p89 A Recepção dos Códices de Nag Hammadi: Gnose e Cristianismo no Egito Romano da Antiguidade Tardia. The Reception of the Nag Hammadi Codices: Gnosis and Christianity in Late-Antique Roman Egypt. Julio Cesar Dias Chaves* Louis Painchaud** RESUMO Os Códices de Nag Hammadi começaram a despertar o interesse dos estudiosos do cristianismo antigo e das religiões no Império Romano já alguns anos depois de sua descoberta em 1945.
Esses códices, geralmente associados ao fenômeno religioso chamado de gnosticismo, são não somente uma demonstração da diversidade do cristianismo no Império Romano, mas também um exemplo peculiar da transmissão e recepção de textos cristãos na Antiguidade tardia.
Se os textos que integram os códices em questão foram provavelmente compostos em grego entre os séculos II e III, nas mais diversas localidades do Império, o que se tem hoje são traduções coptas compiladas no Egito na segunda metade do séc.
IV.
O gosto natural pelo mais antigo e a busca pela conjuntura dita gnóstica levaram os historiadores a priorizarem o estudo do contexto original grego de composição desses textos.
No entanto, nas últimas décadas, o interesse pelo contexto de compilação dos escritos em questão tem c...





Documentos relacionados