Crescimento da planta e coloração das raízes com hematoxilina como critérios de avaliação de genótipos de café quanto à tolerância à toxidez de alumínio Reportar como inadecuado




Crescimento da planta e coloração das raízes com hematoxilina como critérios de avaliação de genótipos de café quanto à tolerância à toxidez de alumínio - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

H. E. P. MARTINEZ ; E. A. M. SILVA ; A. L. BRACCINI ; C. A. SCAPIM ;Revista Brasileira de Ciência do Solo 2000, 24 1

Autor: M. C. L. BRACCINI

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil BRACCINI, M.
C.
L.; MARTINEZ, H.
E.
P.; SILVA, E.
A.
M.; BRACCINI, A.
L.; SCAPIM, C.
A. CRESCIMENTO DA PLANTA E COLORAÇÃO DAS RAÍZES COM HEMATOXILINA COMO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE CAFÉ QUANTO À TOLERÂNCIA À TOXIDEZ DE ALUMÍNIO Revista Brasileira de Ciência do Solo, vol.
24, núm.
1, 2000, pp.
59-68 Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Viçosa, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=180218272009 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto CRESCIMENTO DA PLANTA E COLORAÇÃO DAS RAÍZES COM HEMATOXILINA. 59 CRESCIMENTO DA PLANTA E COLORAÇÃO DAS RAÍZES COM HEMATOXILINA COMO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE CAFÉ QUANTO À TOLERÂNCIA À TOXIDEZ DE ALUMÍNIO(1) M.
C.
L.
BRACCINI(2), H.
E.
P.
MARTINEZ(3), E.
A.
M.
SILVA(4), A.
L.
BRACCINI(5) & C.
A.
SCAPIM(5) RESUMO A seleção de plantas tolerantes ao Al é uma alternativa para solos que apresentam Al em níveis tóxicos.
Neste contexto, vinte e cinco genótipos de café foram estudados quanto à tolerância ao Al avaliada pela inibição no crescimento da parte áerea e das raízes e pelo teste de coloração das raízes com hematoxilina. Avaliou-se, também, a alocação do Al nas pontas das raízes.
Após 35 e 75 dias de cultivo em solução nutritiva, na ausência ou presença de Al, foram avaliados o comprimento da raiz principal e, aos 80 dias, a produção de biomassa seca da parte aérea e das raízes.
Os resultados expressos em percentagem de inibição causada pelo Al foram analisados pela técnica multivariada, e os genótipos foram separados em classes: tolerante, intermediá...





Documentos relacionados