Um conto e suas transformações: ficção científica e história Reportar como inadecuado




Um conto e suas transformações: ficção científica e história - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Tempo 2004, 9 17

Autor: Ciro Flamarion Cardoso

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Tempo ISSN: 1413-7704 secretaria.tempo@historia.uff.br Universidade Federal Fluminense Brasil Flamarion Cardoso, Ciro Um conto e suas transformações: ficção científica e História Tempo, vol.
9, núm.
17, julio, 2004, pp.
1-23 Universidade Federal Fluminense Niterói, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=167017770007 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto 17 • Tempo Um conto e suas transformações: ficção científica e História* Ciro Flamarion Cardoso** 1.
Considerações teórico-metodológicas Estudaremos, neste artigo, um conto de ficção científica de autoria de Ray Bradbury, “Um ruído de trovão”, escrito em 1952, bem como diferentes transcodificações suas, ocorridas em 1954 (história em quadrinhos), 1989 (episódio de série de TV) e 1993 (nova história em quadrinhos).
Os referenciais temáticos centrais tanto do conto quanto de suas transcodificações são, por um lado, o tempo ou, mais exatamente, a estrutura do tempo e sua possível transformação; por outro, uma preocupação política com o perigo de um regime democrático poder descambar, ao que parece com rapidez e sem grande dificuldade, para uma ditadura da pior espécie. A noção de tempo é capital, tanto científica quanto existencialmente, e, ao mesmo tempo, muito difícil de definir devido à sua ambigüidade, já que, em diferentes contextos, significa coisas de fato bastante variáveis: (.) o símbolo t dos físicos é falaciosamente simples como representação ‘daquilo que entendemos como tempo’.
É útil em expressões formais e seu significado não precisa ser questionado.
Entretanto, se perguntarmos de que * ** Artigo recebido em fevereiro de 2004 e aprovado para publicação em abril...





Documentos relacionados