Crescer em família: a permanência no acolhimento familiar Reportar como inadecuado




Crescer em família: a permanência no acolhimento familiar - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

João Carvalho ; Vânia S. Pinto ;Pedagogía Social. Revista Interuniversitaria 2014, 23

Autor: Paulo Delgado

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Pedagogía Social.
Revista Interuniversitaria ISSN: 1139-1723 pedagogiasocialrevista@upo.es Sociedad Iberoamericana de Pedagogía Social España Delgado, Paulo; Carvalho, João; Pinto, Vânia S. Crescer em família: A permanência no acolhimento familiar Pedagogía Social.
Revista Interuniversitaria, núm.
23, enero-junio, 2014, pp.
123-150 Sociedad Iberoamericana de Pedagogía Social Sevilla, España Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=135029519007 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Pedagogía Social.
Revista Interuniversitaria, 2014, 23, pp.
123-150 http:--www.upo.es-revistas-index.php-pedagogia_social- ISSN: 1139-1723.
© SIPS.
DOI: 10.7179-PSRI_2014.23.06 CRESCER EM FAMÍLIA: A PERMANÊNCIA NO ACOLHIMENTO FAMILIAR GROWING-UP IN FAMILY: THE PERMANENCE IN FOSTER CARE CRECER EN FAMILIA: LA PERMANENCIA EN ACOGIMIENTO FAMILIAR Paulo Delgado Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto, Portugal João Carvalho Instituto Superior da Maia, Portugal Vânia S.
Pinto Psicóloga Clínica na Porta Amiga de Almada – Assistência Médica Internacional, Portugal RESUMO: O acolhimento familiar oferece um contexto de vida à criança retirada da sua família biológica, por um período de tempo indeterminado que se pode prolongar, no limite, até à maioridade ou independência.
Um contexto familiar estável permite desenvolver sentimentos de segurança e de permanência associados à possibilidade de manutenção dos contactos com a sua família biológica. A criança pode e deve, em muitas circunstâncias, permanecer com os seus acolhedores e o reconhecimento deste papel parental é um passo que pode contribuir para afastar ambiguidades e indefinições que são prejudiciais par...





Documentos relacionados