Cooperativas agropecuárias de santa catarina: gestão e estrutura de capital próprio Reportar como inadecuado




Cooperativas agropecuárias de santa catarina: gestão e estrutura de capital próprio - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Magnus Amaral da Costa ;Revista Universo Contábil 2005, 1 (2)

Autor: Ademir Proner

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Revista Universo Contábil ISSN: 1809-3337 universocontabil@furb.br Universidade Regional de Blumenau Brasil Proner, Ademir; Amaral da Costa, Magnus COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS DE SANTA CATARINA: GESTÃO E ESTRUTURA DE CAPITAL PRÓPRIO Revista Universo Contábil, vol.
1, núm.
2, mayo-agosto, 2005, pp.
40-57 Universidade Regional de Blumenau Blumenau, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=117015130004 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS DE SANTA CATARINA: GESTÃO E ESTRUTURA DE CAPITAL PRÓPRIO Ademir Proner Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Regional de Blumenau E-mail: ademir@coolacer.com.br Magnus Amaral da Costa Doutor em Controladoria e Contabilidade pela FEA-USP Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Regional de Blumenau E-mail: mac@ufrnet.br RESUMO O artigo objetiva verificar a estrutura do capital próprio das cooperativas agropecuárias de Santa Catarina no período de 1994 a 2003, bem como identificar a existência de empreendimento capitalizado pelo sócio, proporcionalmente à produção a ser entregue.
A metodologia utilizada foi a pesquisa de campo e documental.
Os resultados mostram que as reservas tendem a ter destaque, pois, pelo fato das cooperativas não terem um limite máximo das reservas sobre o patrimônio líquido, os dirigentes as utilizam como forma de capitalizá-las, pois nas sociedades cooperativas as reservas são indivisíveis para o quadro social, tornando-se uma fonte de recurso a baixo custo.
Constatou-se também que a integralização do capital social pelo novo sócio é bastante inferior à estrutura patrimonial a ser utilizada na entrega da...





Documentos relacionados