A supervitalidade como forma de poder: um olhar a partir das academias de ginástica Reportar como inadecuado




A supervitalidade como forma de poder: um olhar a partir das academias de ginástica - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Iraquitan de Oliveira Caminha ;Movimento 2010, 16 (3)

Autor: Fábio Luís Santos Teixeira

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Movimento ISSN: 0104-754X stigger@adufrgs.ufrgs.br Escola de Educação Física Brasil Santos Teixeira, Fábio Luís; Oliveira Caminha, Iraquitan de A supervitalidade como forma de poder: um olhar a partir das academias de ginástica Movimento, vol.
16, núm.
3, julio-septiembre, 2010, pp.
203-220 Escola de Educação Física Rio Grande do Sul, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=115316960011 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto A supervitalidade como forma de poder: um olhar a partir das academias de ginástica Fábio Luís Santos Teixeira* Iraquitan de Oliveira Caminha** Resumo: Neste estudo compreendemos a supervitalidade como conseqüência da biopolítica.
Atualmente, não buscamos apenas proteger a vida, mas sim maximizá-la tornando-a mais poderosa.
O objetivo da investigação é analisar as formas de manifestação da supervitalidade em academias de ginástica.
Utilizando as teorias de Foucault e Virilio, percebemos que os sujeitos investem biotecnologicamente sobre o corpo para ter poder, aperfeiçoando suas funções biológicas e sociais. Palavras-chave: Supervitalidade.
Poder.
Biopolítica.
Academias de ginástica. 1 INTRODUÇÃO Desde que a vida se tornou objeto de dominação política, inaugurou-se nas sociedades ocidentais modernas uma demanda pela construção de tecnologias de dominação voltadas à produção de corpos disciplinados, produtivos e dóceis (FOUCAULT, 2004). Atualmente, quando as sociedades ocidentais vivem sobre a égide do capitalismo industrial e informacional1, percebe-se uma modificação no sentido da produção de corpos referente à instalação de uma nova tendência biopolítica que valoriza a maximização *Graduado em Educação Física pela UPE...





Documentos relacionados