Editorial Reportar como inadecuado




Editorial - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

RACRevista de Administração Contemporânea 2006, 10 3

Autor: Rogério H. Quintella

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



RAC - Revista de Administração Contemporânea ISSN: 1415-6555 rac@anpad.org.br Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração Brasil Quintella, Rogério H. Editorial RAC - Revista de Administração Contemporânea, vol.
10, núm.
3, julho-setembro, 2006, p.
0 Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração Rio de Janeiro, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=84010301 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Editorial É com singular satisfação que apresento este volume da RAC.
A presente edição traz textos de grande diversidade e interesse aos estudiosos da administração. O primeiro artigo de autoria de Natasha Tamayo e Gardênia da Silva Abbad, utilizando de cuidadosa análise quantitativa, discute a questão do autoconceito profissional e de seus impactos sobre as atividades de treinamento.
O segundo texto trata das estruturas de governança por meio de um estudo conduzido sobre uma organização peculiar, os Doutores da Alegria.
A análise conduzida por Andréa Leite Rodrigues e Marie Claire Malo oferece uma interessante comparação entre as perspectivas teóricas e o emprego do, pouco discutido, conceito de empreendedor coletivo.
No terceiro artigo Alketa Peci, Marcelo Milano Falcão Vieira e Stewart R.
Clegg partem de uma crítica das bases do neo-institucionalismo para construir um excelente texto que defende a potencialidade da aplicação da perspectiva pós-estruturalista de Foucault à abordagem institucional.
Um dos principais argumentos do texto é o de que “práticas que são institucionalizadas são práticas que funcionam, ou seja, práticas necessárias e úteis ao exercício do poder”. Depois de tratar de temas relativo...





Documentos relacionados