Democracia e novas formas de participação política Reportar como inadecuado




Democracia e novas formas de participação política - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

CivitasRevista de Ciências Sociais 2004, 4 2

Autor: Marcia Dias Ribeiro

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Civitas - Revista de Ciências Sociais ISSN: 1519-6089 civitas@pucrs.br Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Brasil Dias Ribeiro, Marcia Democracia e novas formas de participação política Civitas - Revista de Ciências Sociais, vol.
4, núm.
2, julho-dezembro, 2004, pp.
205-209 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Porto Alegre, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=74240201 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Apresentação Democracia e novas formas de participação política Ao longo do século XX, a democracia tornou-se hegemônica no mundo ocidental.
Não apenas a democracia como método para a escolha de governantes, mas sobretudo a democracia por seu valor intrínseco, pelo conjunto de valores a ela associados, estando a liberdade e a igualdade entre os mais evidentes. Isso significa dizer que a democracia transcendeu seu significado original, uma das formas possíveis de governo, para tornar-se um valor em si: para que um governo seja bom, tem que ser democrático.
Tornou-se um “dever ser” universal.
Questionar a autoridade e, por conseguinte, a legitimidade do povo para orientar a vontade do governo passou a ser inaceitável.
Tal universalidade, entretanto, não gerou um consenso quanto aos mecanismos mais eficazes para a consecução dos objetivos democráticos. A representação política foi consagrada, a partir do século XIX, como método de governo mais adequado a aproximar o exercício governamental da vontade coletiva.
Seus princípios visam regular as relações entre representantes e representados, além de definir os mecanismos decisórios, tanto da constituição da representação quanto do exercício da mesma. Civitas Porto...





Documentos relacionados