Educação brasileira - itinerários históricos e filosóficos Reportar como inadecuado




Educação brasileira - itinerários históricos e filosóficos - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

EccoS Revista Científica 2007, 9 1

Autor: Carlos Bauer

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



EccoS Revista Científica ISSN: 1517-1949 eccos@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Bauer, Carlos Educação brasileira - Itinerários históricos e filosóficos EccoS Revista Científica, vol.
9, núm.
1, janeiro-junho, 2007, pp.
11-14 Universidade Nove de Julho São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=71590101 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Educação brasileira – Itinerários históricos e filosóficos Quando pensamos a história e a filosofia como mestras na construção de um projeto civilizatório, elas não incorporam quaisquer tipos de adjetivação.
Não serão os “enfeites” que as palavras podem proporcionar que lhes atribuirão qualidade e valor.
Mas por que somos levados a projetar uma história ou uma filosofia adjetivada no cotidiano mais elementar de nossa existência social que são as relações de trabalho? Por que produzimos subterfúgios que nos remetem não à história e à filosofia, com letras maiúsculas, mas a uma filosofia ou história da educação? Será que o trabalho docente, ao adotar esse procedimento, simplesmente não segue as regras dessa etapa mundializada da sociedade capitalista, que fragmenta todo o conhecimento, toda a ciência, toda experiência societal e que, conseqüentemente, transforma essas grandes mestras da vida em disciplinas de fundamentos necessários à formação daqueles que buscam sua qualificação profissional nos campi universitários? Claro que as respostas a essas indagações demandariam, como diziam nossos colegas professores da “velha guarda”, gastar muita tinta.
No entanto, é importante reconhecer que nem a história, nem a filosofia podem ser projetadas como conhecimentos ou ramificações da ...





Documentos relacionados