Naturezas monumentalizadas, cotidianos politizados: a construção discursiva do lugar no caso do quilombo sacopã Reportar como inadecuado




Naturezas monumentalizadas, cotidianos politizados: a construção discursiva do lugar no caso do quilombo sacopã - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Sociedade e Cultura 2013, 16 1

Autor: Luz Stella Rodríguez Cáceres

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Sociedade e Cultura ISSN: 1415-8566 brmpechincha@hotmail.com Universidade Federal de Goiás Brasil Rodríguez Cáceres, Luz Stella Naturezas monumentalizadas, cotidianos politizados: a construção discursiva do lugar no caso do Quilombo Sacopã Sociedade e Cultura, vol.
16, núm.
1, enero-junio, 2013, pp.
91-103 Universidade Federal de Goiás Goiania, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=70329744010 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Naturezas monumentalizadas, cotidianos politizados: a construção discursiva do lugar no caso do Quilombo Sacopã Luz Stella Rodríguez Cáceres Doutora em Geografia (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Pesquisadora da Universidade Federal do Rio de Janeiro lunsella@gmail.com Resumo A disputa decorrente da presença do Quilombo Sacopã numa área instituída como Parque Municipal José Guilherme Merquior (PMJGM) na cidade do Rio de Janeiro, em 2001, é analisada a partir da tensão existente entre monumentalidade e cotidiano.
Como parte dos discursos patrimoniais, essas categorias descobrem as lógicas de apropriação e construção do lugar mediante narrativas e relatos que se desdobram nas ações de preservação ambiental e da memória cultural.
O Quilombo Sacopã está conformado pelos membros da família Pinto, que se organizaram para defender o direito à moradia e a titularidade da terra que habitam desde 1920; porém, esse reclamo confronta-se com os interesses de alguns residentes de condomínios do bairro, representados pela associação de moradores, que defende interesses ambientalistas.
O conflito exposto atenta contra a compreensão do lugar como algo pronto, estático e perfeitamente delimitado e evidencia que, como construção social, ...





Documentos relacionados