O som do ódio: explorando o uso das letras da música hatecore como estratégia de recrutamento pelo movimento da força branca Reportar como inadecuado




O som do ódio: explorando o uso das letras da música hatecore como estratégia de recrutamento pelo movimento da força branca - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Andy Selepak ;IntercomRevista Brasileira de Ciências da Comunicação 2014, 37 2

Autor: Belio Antonio Martinez Jr.

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal Sistema de Información Científica Martinez Jr., Belio Antonio; Selepak, Andy O som do ódio: explorando o uso das letras da música hatecore como estratégia de recrutamento pelo Movimento da Força Branca Intercom - Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, vol.
37, núm.
2, julio-diciembre, 2014, pp.
153-175 Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=69832559008 Intercom - Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, ISSN (Versão impressa): 1809-5844 intercom@usp.br Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação Brasil Como citar este artigo Número completo Mais informações do artigo Site da revista www.redalyc.org Projeto acadêmico não lucrativo, desenvolvido pela iniciativa Acesso Aberto O som do ódio: explorando o uso das letras da música hatecore como estratégia de recrutamento pelo Movimento da Força Branca* DOI 10.1590-1809-584420147 Belio Antonio Martinez Jr.** Andy Selepak*** Resumo Este estudo utiliza a “Grounded Theory” para examinar o uso de letras de músicas hatecore como uma Comunicação estratégica para difundir ideologia skinhead.
Os resultados indicam que as letras retratam as minorias étnicas e religiosas, e os homossexuais como inferiores e subumanos.
Os judeus, o governo e os brancos que se opõem à ideologia skinhead são descritos como parte do problema.
As letras são usadas para recrutar brancos marginalizados para o movimento, definindo-os como impotentes e perdendo poder enquanto “outros” o ganham.
Também os recrutam por meio de mensagens positivas de orgulho racial branco.
Como acontece com outros movimentos sociais, os resultados indicam que o poder desempenha um papel central na definição do problema que enfrentam os brancos marginalizados, a causa dos problemas, e as soluções prescritas ...





Documentos relacionados