Bioética e hiv-aids: discriminação no atendimento aos portadores Reportar como inadecuado




Bioética e hiv-aids: discriminação no atendimento aos portadores - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Artênio José Isper Garbin ; Suzely Adas Saliba Moimaz ; Márcio Penha do Carmo ;Revista Bioética 2009, 17 3

Autor: Cléa Adas Saliba Garbin

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=361533251013


Introducción



Revista Bioética ISSN: 1943-8042 bioetica@portalmedico.org.br Conselho Federal de Medicina Brasil Saliba Garbin, Cléa Adas; Isper Garbin, Artênio José; Saliba Moimaz, Suzely Adas; Penha do Carmo, Márcio Bioética e HIV-Aids: discriminação no atendimento aos portadores Revista Bioética, vol.
17, núm.
3, 2009, pp.
511-522 Conselho Federal de Medicina Brasília, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=361533251013 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Bioética e HIV-Aids: discriminação no atendimento aos portadores Cléa Adas Saliba Garbin Artênio José Isper Garbin Suzely Adas Saliba Moimaz Márcio Penha do Carmo Resumo A discriminação é uma atitude que menospreza os indivíduos acarretando injustiças sociais.
O objetivo deste trabalho foi avaliar a existência de discriminação por meio da análise de aspectos éticos envolvidos no atendimento a pacientes HIV soropositivos por profissionais de saúde.
Foi realizada uma pesquisa transversal e quantitativa, empreendida em agosto de 2008, que utilizou questionário fechado e contou com a participação voluntária de 69 pessoas enfermas, participantes do Programa Nacional de DST-Aids, no município de Três Lagoas-MS, Brasil.
Constatou-se que dentre as situações discriminatórias vivenciadas pelos portadores do HIV, quatorze foram realizadas por profissionais de enfermagem, doze por médicos, seis por profissionais auxiliares e duas por cirurgiões-dentistas.
Das pessoas que sofreram discriminação 85,3% afirmaram ter sido discriminadas no serviço público de saúde.
Conclui-se deste quadro que é urgente a construção de uma nova consciência moldada em princípios éticos, capaz de esclarecer os profissionais sobre sua atitude...





Documentos relacionados