Considerações sobre o inconsciente: mito, símbolo e arquétipo na psicologia analítica Reportar como inadecuado




Considerações sobre o inconsciente: mito, símbolo e arquétipo na psicologia analítica - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies 2010, XVI 1

Autor: Carlos Augusto Serbena

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=357735613010


Introducción



Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies ISSN: 1809-6867 revista@itgt.com.br Instituto de Treinamento e Pesquisa em Gestalt Terapia de Goiânia Brasil Serbena, Carlos Augusto Considerações Sobre o Inconsciente: Mito, Símbolo e Arquétipo na Psicologia Analítica Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies, vol.
XVI, núm.
1, junio, 2010, pp.
76-82 Instituto de Treinamento e Pesquisa em Gestalt Terapia de Goiânia Goiânia, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=357735613010 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Carlos A.
Serbena Considerações Sobre o Inconsciente: Mito, Símbolo e Arquétipo na Psicologia Analítica Considerations about the Uncounscious: Myth, Symbol and Archetype in Analitical Psychology Consideraciones sobre el Inconsciente: Mito, Símbolo y Arquetipo en la Psicología Analítica Carlos Augusto Serbena Resumo: Este artigo realiza uma discussão teórica entre C.
G.
Jung e outros autores visando relacionar e esclarecer aspectos dos conceitos de mito, símbolo e arquétipo.
Partindo do conceito de inconsciente coletivo e de arquétipo da obra de Jung, mostra as duas formas de funcionamento da psique: racional e causal para o ego e imagética e analógica para o inconsciente.
Assim, os arquétipos podem ser considerados como categorias da imaginação e se expressam de forma simbólica, exigindo uma abordagem compreensiva e qualitativa e exercendo função de mediação entre os opostos por meio de uma dinâmica redundante e repetitiva, mas aperfeiçoadora.
Esse dinamismo aparece nos ritos, a repetição ao nível comportamental, e nos mitos, uma narrativa simbólica que marca o inicio do processo de racionalização dos símbolos.
Se esse pr...





Documentos relacionados