Razão e sentimento na moral de kant Reportar como inadecuado




Razão e sentimento na moral de kant - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies 2010, XVI 1

Autor: Jair Barboza

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=357735613009


Introducción



Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies ISSN: 1809-6867 revista@itgt.com.br Instituto de Treinamento e Pesquisa em Gestalt Terapia de Goiânia Brasil Barboza, Jair Razão e Sentimento na Moral de Kant Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies, vol.
XVI, núm.
1, junio, 2010, pp.
73-75 Instituto de Treinamento e Pesquisa em Gestalt Terapia de Goiânia Goiânia, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=357735613009 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Razão e Sentimento na Moral de Kant Razão e Sentimento na Moral de Kant Reason and Feeling in Kant’s Moral Razón y Sentimiento en la Moral de Kant Jair Barboza Resumo: O artigo mostra a tensão entre razão e sentimento na moral de Kant.
Trata-se de uma postura que, em verdade, cristaliza uma longa tradição filosófica, desde Platão, para a qual a razão é primária e o querer é secundário.
Uma postura a ser revista pelas filosofias da vida. Palavras-chave: Kant; Razão; Sentimento; Vontade. Abstract: The article shows the tension between reason and feeling by Kant.
This is a position that, in fact, crystallizes a long philosophical tradition, since Plato, to which the reason is primary and the will is secondary.
A posture that now begins to be reviewed by de philosophies of life. Keywords: Kant; Reason; Feeling; Will. I A tentativa kantiana de fundamentação da ética assenta-se no célebre “imperativo categórico”, cuja formulação soa que devemos agir de tal maneira que a máxima da nossa ação se torne uma lei universal.
É o princípio da autonomia racional e consciente do agente.
O nome da obra seminal do pensamento ético kantiano porta no nome a sua tarefa.
O autor, ao intitulá-la Grundle...





Documentos relacionados