A ambiguidade na fenomenologia da percepção de maur ice merleau-ponty Reportar como inadecuado




A ambiguidade na fenomenologia da percepção de maur ice merleau-ponty - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies 2011, XVII 2

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=357735515014


Introducción



Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies ISSN: 1809-6867 revista@itgt.com.br Instituto de Treinamento e Pesquisa em Gestalt Terapia de Goiânia Brasil A Ambiguidade na Fenomenologia da Percepção de Maur ice Merleau-Ponty Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies, vol.
XVII, núm.
2, diciembre, 2011, pp. 227-228 Instituto de Treinamento e Pesquisa em Gestalt Terapia de Goiânia Goiânia, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=357735515014 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto A Ambiguidade na Fenomenologia da Percepção de Maurice Merleau-Ponty (2007) Título: A Ambiguidade na Fenomenologia da Percepção de Maurice Merleau-Ponty Autor: Leandro Neves Cardim Instituição: Universidade de São Paulo (USP) Programa: Programa de Pós-Graduação em Filosofia (Doutorado) Banca: Franklin Leopoldo e Silva (Orientador) Débora Cristina Morato Pinto (UFSCar) Eduardo Brandão (USP) Luiz Damon Moutinho (UFPR) Márcio Suzuki (USP) Defesa: 14 de junho de 2007 Resumo: Este trabalho retoma de alguns tópicos da Fenomenologia da percepção de Maurice Merleau-Ponty.
O rastreamento da ambigüidade fecunda da percepção (inerência vital e intenção racional) permite a avaliação precisa dos limites da primeira fase desta filosofia.
Ela retoma os métodos clássicos de investigação – explicativo e reflexivo – em uma espécie de oscilação ritmada do interior destes dois pólos.
Ao fazer isto, o filósofo se inscreve no interior da tradição que ele procura criticar, herdando, assim, os seus pressupostos dicotômicos permanecendo, portanto, no interior de uma filosofia da consciência que estabelece uma correlação estrita entre o sujeito e o objeto.
N...





Documentos relacionados