O risco como herança e legado Reportar como inadecuado




O risco como herança e legado - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Oculum Ensaios 2009, 9-10

Autor: Jonathas Magalhães Pereira da Silva

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=351732199001


Introducción



Oculum Ensaios ISSN: 1519-7727 sbi.ne_oculumensaios@puc-campinas.edu.br Pontifícia Universidade Católica de Campinas Brasil Magalhães Pereira da Silva, Jonathas O RISCO COMO HERANÇA E LEGADO Oculum Ensaios, núm.
9-10, 2009, pp.
4-10 Pontifícia Universidade Católica de Campinas Campinas, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=351732199001 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto | 4 EN SAIO VISUAL O RISCO COMO HERANÇA E LEGADO A revista Oculum números 9-10 abre espaço, entre suas páginas, para a publicação de uma série de desenhos meus feitos em momentos e contextos diversos.
São croquis feitos durante reuniões, discussões e reflexões sobre questões urbanas e humanas. Alguns traços surgiram de acalorados debates no desenvolvimento de projetos, planos, concursos e pesquisas; outros registros são fruto de uma ação ágil na tentativa de congelar nosso olhar: deixar registrada alguma reflexão ou sentimento. O desenho como registro, a imagem como memória, o traço como pensamento, o risco como expressão ou o croqui como linguagem são percursos hipotéticos que poderiam ser explorados neste pequeno texto.
Entretanto, ao invés de elaborar um texto que teorize o ato de desenhar, procura-se traduzir em palavras, desenhadas pela escrita, o significado e o uso da linguagem pela qual o arquiteto urbanista elabora o pensamento e se comunica com o mundo. Trata-se de registrar o risco, que não costuma ter a pretensão de servir a algo, mas simplesmente atender a utilidade que o gerou.
Parte-se então de uma necessidade motivada por um claro objetivo: a intenção do convencimento, o desespero de revelar algo, a superação de outros recursos linguísticos, a incapacidade de preservar...





Documentos relacionados