Flexibilizar, vulnerabilizar e precarizar: efeitos da desestruturação da vida dos trabalhadores brasileiros, sob as ordens do -mercado- Reportar como inadecuado




Flexibilizar, vulnerabilizar e precarizar: efeitos da desestruturação da vida dos trabalhadores brasileiros, sob as ordens do -mercado- - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Sociedade e Estado 2008, 23 3

Autor: Maria Isabel Pojo do Rego

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=339930894018


Introducción



Sociedade e Estado ISSN: 0102-6992 revistasol@unb.br Universidade de Brasília Brasil Pojo do Rego, Maria Isabel Flexibilizar, vulnerabilizar e precarizar: efeitos da desestruturação da vida dos trabalhadores brasileiros, sob as ordens do “mercado” Sociedade e Estado, vol.
23, núm.
3, septiembre-diciembre, 2008, pp.
793-795 Universidade de Brasília Brasília, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=339930894018 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Resumos das teses e dissertações apresentadas no PPG-SOL-UnB 793 Flexibilizar, vulnerabilizar e precarizar: efeitos da desestruturação da vida dos trabalhadores brasileiros, sob as ordens do “mercado” Maria Isabel Pojo do Rego Curso: Doutorado em Sociologia Data da defesa: 29 de agosto de 2008 Orientadora: Profª.
Drª.
Christiane Girard Ferreira Nunes Sociedade e Estado, Brasília, v.
23, n.
3, p.
785-812, set.-dez.
2008 794 Resumos das teses e dissertações apresentadas no PPG-SOL-UnB Resumo A pesquisa se apoiou na hipótese central de que a incerteza vem sendo utilizada como uma técnica, um instrumento de poder do atual estágio do capitalismo especulativo, para produzir corpos dóceis sujeitos a uma mais intensa exploração do capital, na medida em que viver sob condições incertas produz uma clara sensação de medo do porvir.
Medo expresso na permanente ameaça de demissão, que as novas tecnologias de gestão do capital sabem bem explorar para submeter os trabalhadores a trabalho cujas jornadas são intensificadas, bem como estendidas em horas e horas a mais de trabalho não remunerado.
O recorte analítico colocou em relevo a ameaça do desemprego experimentada pelos empregados ou desempregados que trabalham em Brasíl...





Documentos relacionados