Investigação psicodiagnóstica de adolescentes: encaminhamentos, queixas e instrumentos utilizados em clínicas-escolas Reportar como inadecuado




Investigação psicodiagnóstica de adolescentes: encaminhamentos, queixas e instrumentos utilizados em clínicas-escolas - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Claudio Simon Hutz ;Avaliação Psicológica 2008, 7 1

Autor: Caroline Tozzi Reppold

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=335027183011


Introducción



Avaliação Psicológica ISSN: 1677-0471 revista@ibapnet.org.br Instituto Brasileiro de Avaliação Psicológica Brasil Tozzi Reppold, Caroline; Simon Hutz, Claudio INVESTIGAÇÃO PSICODIAGNÓSTICA DE ADOLESCENTES: ENCAMINHAMENTOS, QUEIXAS E INSTRUMENTOS UTILIZADOS EM CLÍNICAS-ESCOLAS Avaliação Psicológica, vol.
7, núm.
1, abril, 2008, pp.
85-91 Instituto Brasileiro de Avaliação Psicológica Ribeirão Preto, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=335027183011 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Avaliação Psicológica, 2008, 7(1), pp.
85-91 85 INVESTIGAÇÃO PSICODIAGNÓSTICA DE ADOLESCENTES: ENCAMINHAMENTOS, QUEIXAS E INSTRUMENTOS UTILIZADOS EM CLÍNICAS-ESCOLAS Caroline Tozzi Reppold1 - Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre Claudio Simon Hutz - Universidade Federal do Rio Grande do Sul RESUMO A presente pesquisa investigou a freqüência do uso de testes em avaliações de adolescentes.
Investigou também as queixas relatadas pelos adolescentes, as principais fontes de encaminhamento, os motivos apontados por terceiros para avaliação do adolescente e a freqüência de encaminhamentos multidisciplinares realizados por psicólogos e estagiários. Os dados foram retirados de 211 prontuários de adolescentes entre 12 e 17 anos de idade, atendidos em clínicas-escolas. Os principais resultados indicaram que 55,6% das avaliações utilizaram testes psicológicos, em geral gráficos ou projetivos.
A prevalência de sintomas variou de acordo com a fonte de informação.
Os motivos apontados com maior freqüência para o encaminhamento foram conflitos de interação social e os problemas de externalização.
No entanto, as queixas mais freqüentemente relatadas pelos ...





Documentos relacionados