O inventário de potencial de maus-tratos infantil: estudo de precisão e validade Reportar como inadecuado




O inventário de potencial de maus-tratos infantil: estudo de precisão e validade - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Sonia Regina Pasian ; Ida Leyda M.
Ávila de Mello ; Marina Rezende Bazon ;Avaliação Psicológica 2009, 8 3

Autor: Lílian Paula D.
Bérgamo


Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=335027282014


Introducción



Avaliação Psicológica ISSN: 1677-0471 revista@ibapnet.org.br Instituto Brasileiro de Avaliação Psicológica Brasil Bérgamo, Lílian Paula D.; Pasian, Sonia Regina; Ávila de Mello, Ida Leyda M.; Rezende Bazon, Marina O INVENTÁRIO DE POTENCIAL DE MAUS-TRATOS INFANTIL: ESTUDO DE PRECISÃO E VALIDADE Avaliação Psicológica, vol.
8, núm.
3, diciembre-, 2009, pp.
425-435 Instituto Brasileiro de Avaliação Psicológica Ribeirão Preto, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=335027282014 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Avaliação Psicológica, 2009, 8(3), pp.
425-435 425 O INVENTÁRIO DE POTENCIAL DE MAUS-TRATOS INFANTIL: ESTUDO DE PRECISÃO E VALIDADE Lílian Paula D.
Bérgamo - Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Brasil Sonia Regina Pasian - Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Brasil Ida Leyda M.
Ávila de Mello - Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Brasil Marina Rezende Bazon1 - Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Brasil RESUMO O presente estudo verificou a consistência interna da versão brasileira do Child Abuse Potential Inventory – CAP, instrumento que detecta o potencial de risco nos cuidadores para os maus-tratos infantis.
Adicionalmente, realizou-se uma análise dos itens do CAP, avaliando sua capacidade de discriminar dois grupos, equiparados em variáveis sóciodemográficas, sendo G1 composto por 60 cuidadores notificados em Conselhos Tutelares por maltratarem seus filhos, e G2 composto por 60 cuidadores sem histórico de maus-tratos com os filhos.
Índices de fidedignidade superiores a 0,80 foram encontrados para a escala de Abuso, e para as dimensões de Angústia e Rigidez, e também para as escalas Força do Ego e Solidão.
A an...





Documentos relacionados