Didáticas e discursos em defesa do desenho como objeto de ensino e de sua inserção na instrução pública luso-brasileira Reportar como inadecuado




Didáticas e discursos em defesa do desenho como objeto de ensino e de sua inserção na instrução pública luso-brasileira - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Revista História da Educação 2009, 13 29

Autor: Gláucia Maria Costa Trinchão

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=321627136005


Introducción



Revista História da Educação ISSN: 1414-3518 rhe.asphe@gmail.com Associação Sul-Rio-Grandense de Pesquisadores em História da Educação Brasil Costa Trinchão, Gláucia Maria DIDÁTICAS E DISCURSOS EM DEFESA DO DESENHO COMO OBJETO DE ENSINO E DE SUA INSERÇÃO NA INSTRUÇÃO PÚBLICA LUSO-BRASILEIRA Revista História da Educação, vol.
13, núm.
29, septiembre-diciembre, 2009, pp.
79-113 Associação Sul-Rio-Grandense de Pesquisadores em História da Educação Rio Grande do Sul, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=321627136005 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto DIDÁTICAS E DISCURSOS EM DEFESA DO DESENHO COMO OBJETO DE ENSINO E DE SUA INSERÇÃO NA INSTRUÇÃO PÚBLICA LUSO-BRASILEIRA Gláucia Maria Costa Trinchão Resumo O texto identifica e analisa idéias que nortearam as políticas educacionais e propostas didático-pedagógicas apontadas no século XVII, ampliadas no XVIII, que ajudaram a socializar o Desenho como disciplina escolar e guiaram a elaboração de novos mecanismos didáticos na cultura ocidental no século XIX.
O desempenho na arte do Desenho ora seguia os propósitos da educação da visão e da mente de Comenius, ora em busca da justeza do olho e da flexibilidade da mão na orientação de Rousseau, ou pela precisão do pensamento e da observação aplicada por Pestalozzi, ou ainda de forma natural e intuitiva indicada por Froebel, o desenhar como atividade inerente ao indivíduo.
Destaca também, discursos de artistas e pedagogos portugueses em defesa do Desenho como objeto de ensino para instrução pública e como meio civilizador. Palavras-chave: História da Disciplina de Desenho; Didática do Desenho; Defensores do Desenho. DIDACTICS AND DISCOURSES IN DEF...





Documentos relacionados