Ressuscitação cardiopulmonar: novas diretrizes de atendimento Reportar como inadecuado




Ressuscitação cardiopulmonar: novas diretrizes de atendimento - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Rita Simone Lopes Moreira ; Ruth Ester Assayag Batista ;Acta Paulista de Enfermagem 2012, 25 3

Autor: Cássia Regina Vancini Campanharo

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=307023885026


Introducción



Acta Paulista de Enfermagem ISSN: 0103-2100 ape@unifesp.br Escola Paulista de Enfermagem Brasil Vancini Campanharo, Cássia Regina; Lopes Moreira, Rita Simone; Assayag Batista, Ruth Ester Ressuscitação cardiopulmonar: novas diretrizes de atendimento Acta Paulista de Enfermagem, vol.
25, núm.
3, 2012, pp.
483-483 Escola Paulista de Enfermagem São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=307023885026 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Resenha Ressuscitação cardiopulmonar: novas diretrizes de atendimento Cássia Regina Vancini Campanharo1, Rita Simone Lopes Moreira2, Ruth Ester Assayag Batista3 As mudanças nas Diretrizes da American Heart Association foram publicadas em 2010(1) e contêm as melhores recomendações para o tratamento das emergências clínicas, para os primeiros socorros, no suporte básico de vida e no tratamento avançado.
A cadeia de sobrevivência foi acrescida de um novo elo, a realização de cuidados pós-reanimação cardiopulmonar (RCP) organizados, visto que indivíduos gravemente doentes precisam de um plano assistencial multidisciplinar para cuidar das diversas alterações apresentadas.
A sobrevivência das vítimas de parada cardiorrespiratória (PCR) depende da qualidade das compressões torácicas externas (CTE); por isso, sua sequência foi alterada para minimizar atrasos no início e as interrupções.
Assim a sequência A-B-C (airway-breathing-chest compressions), mudou C-A-B (chest compression-airway-breathing).
Além disto, são determinantes importantes a frequência e a profundidade das CTE que devem ser realizadas no mínimo 100 compressões por minuto, com profundidade de 5 cm comretorno total do tórax à posição original.
Segundo esta, a ...





Documentos relacionados