Estresse laboral e raciocínio inferencial: um estudo correlacional Reportar como inadecuado




Estresse laboral e raciocínio inferencial: um estudo correlacional - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Dario Cecilio Fernandes ;Psicologia Ciência e Profissão 2007, 27 4

Autor: Ana Paula Porto Noronha

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=282021759003


Introducción



Psicologia Ciência e Profissão ISSN: 1414-9893 revista@pol.org.br Conselho Federal de Psicologia Brasil Porto Noronha, Ana Paula; Fernandes, Dario Cecilio Estresse Laboral e Raciocínio Inferencial: Um Estudo Correlacional Psicologia Ciência e Profissão, vol.
27, núm.
4, 2007, pp.
596-607 Conselho Federal de Psicologia Brasília, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=282021759003 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto 596 Estresse Laboral e Raciocínio Inferencial: Um Estudo Correlacional Occupational tress and inferential reasoning: A correlational study Ana Paula Porto Noronha & Dario Cecilio Fernandes Artigo Universidade São Francisco PSICOLOGIA CIÊNCIA E PROFISSÃO, 2007, 27 (4), 596-607 597 PSICOLOGIA CIÊNCIA E PROFISSÃO, 2006, 27 (4), 596-607 Resumo: O objetivo desse estudo foi verificar as relações entre estresse laboral e raciocínio inferencial, sexo e idade.
Os instrumentos utilizados foram a escala de vulnerabilidade a estressores no trabalho (EVET) e raciocínio inferencial (RIn).
Participaram da pesquisa 64 alunos de Psicologia e Engenharia de uma instituição privada do interior do Estado de São Paulo, sendo que, no total, 81,2% eram do sexo masculino, e 18,8%, do sexo feminino, com idade variando de 18 a 45 anos (M=24, DP=5,78).
Em relação aos fatores da escala de estresse, encontrou-se correlação negativa significativa entre o fator três (falta de suporte organizacional) e o RIn.
Dentre as demais análises realizadas, destaca-se a correlação negativa significativa entre EVET e RIn (r =-0,25; p=0,047), o que indica que, quanto maior o estresse, menor a capacidade de raciocínio inferencial. Palavras-chave: testes psicológicos, inteligência, estresse, a...





Documentos relacionados