Prazer e sofrimento no trabalho do voluntário empresarial Reportar como inadecuado




Prazer e sofrimento no trabalho do voluntário empresarial - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Revista de Ciências da Administração 2008, 10 20

Autor: Angela Beatriz Scheffer Garay

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=273520283001


Introducción



Revista de Ciências da Administração ISSN: 1516-3865 rca.cse@contato.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Scheffer Garay, Angela Beatriz PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO DO VOLUNTÁRIO EMPRESARIAL Revista de Ciências da Administração, vol.
10, núm.
20, enero-abril, 2008, pp.
11-34 Universidade Federal de Santa Catarina Santa Catarina, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=273520283001 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO DO VOLUNTÁRIO EMPRESARIAL Angela Beatriz Scheffer Garay1 Resumo Os programas de voluntariado corporativo representam uma das opções de ações em responsabilidade social bastante valorizadas pelas empresas, sendo sua existência, inclusive, um fator utilizado em instrumentos de avaliação de responsabilidade social (como, por exemplo, o proposto pelo Instituto Ethos) ou em modelos de balanço social (como o proposto pelo Ibase).
Em estudo realizado pela autora, buscou-se identificar como o voluntário empresarial, envolvido num cenário organizacional com uma série de novas demandas, percebe esse tipo de trabalho (quais os significados que essa prática assume), bem como suas implicações.
Entre os significados encontrados, destaca-se voluntariado como história de vida e como forma de ser reconhecido pela empresa, entre outros, sendo observados ganhos individuais tanto de ordem afetiva como de ordem profissional.
Entretanto, foi também percebida, na própria decisão de voluntariar, a percepção da influência de formas de controle mais sutis sobre os funcionários, a reprodução de padrões tradicionais de relações de poder no exercício da ação voluntária, bem como certo nível de sofrimento no trabal...





Documentos relacionados