A nudez Reportar como inadecuado




A nudez - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental 2001, IV 2

Autor: Viviana C. Velasco Martínez

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental ISSN: 1415-4714 psicopatologiafundamental@uol.com.br Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental Brasil Velasco Martínez, Viviana C. A nudez Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, vol.
IV, núm.
2, junio, 2001, pp.
41-52 Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=233017668005 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto ARTIGOS Rev.
Latinoam.
Psicopat.
Fund., IV, 2, 41-52 A nudez* Viviana C.
Velasco Martínez 41 O objetivo deste artigo é apresentar um mito e o seu herói.
É com esse material simbólico que pretendo enfocar temas freudianos clássicos, como a sexualidade infantil, o pudor, a crueldade, o fetichismo, o exibicionismo e a castração e, assim, esboçar o contorno de uma possível fantasia neurótica inconsciente, onde a perversão encontrase em negativo. Palavras-chave: Mitologia, psicanálise aplicada, psicanálise, perversão, mito-análise. R E V I S T A LATINOAMERICANA DE PSICOPATOLOGIA F U N D A M E N T A L Introdução 42 Neste trabalho, apresento um mito e o seu herói.
A esse pretexto é que abordo a temática da perversão e o seu “negativo”, interpretável na neurose. Uma narrativa mítica não é, evidentemente, um quadro de perversão, e nem mesmo de neurose; além disso, os fatos ali relatados não significam em si, mas têm caráter simbólico.
O mito que apresento tem cenas que lembram atos de perversão, entretanto, o referido caráter simbólico da narrativa não permite tomá-los como tal.
Vou então, para interpretar, recorrer à idéia de Ramos (2000) e usar o famoso “como se...





Documentos relacionados