A abordagem fenomenológica em psicopatologia Reportar como inadecuado




A abordagem fenomenológica em psicopatologia - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental 2005, VIII 4

Autor: Karl Jaspers

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental ISSN: 1415-4714 psicopatologiafundamental@uol.com.br Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental Brasil Jaspers, Karl A abordagem fenomenológica em psicopatologia Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, vol.
VIII, núm.
4, diciembre, 2005, pp.
769786 Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=233017491013 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto CLÁSSICOS DA PSICOPATOLOGIA ano VIII, n.
4, dez- 2 0 05 Rev.
Latinoam.
Psicopat.
Fund., VIII, 4, 769-787 A abordagem fenomenológica em psicopatologia*1 Karl Jaspers A subjetividade dos eventos psíquicos Ao exame de um paciente psiquiátrico é comum a distinção entre sintomas objetivos e subjetivos.
Sintomas objetivos incluem todos os eventos concretos que podem ser percebidos pelos sentidos, e.g.
reflexos, movimentos registráveis, a fisionomia de um indivíduo, sua atividade motora, expressão verbal, produções escritas, ações e conduta geral etc.
Todos os rendimentos mensuráveis, como a capacidade de trabalho do paciente, sua habilidade para aprender, a magnitude de sua memória, além de outros, pertencem a esse domínio.
Também é comum incluir, entre os sintomas objetivos, manifestações como idéias delirantes, falsas memórias etc.; em outras palavras, os conteúdos racionais que o paciente nos comunica.
Estes, realmente, não são percebidos pelos sentidos, mas apenas compreendidos.
No entanto, tal “compreensão” é alcançada por meio do pensamento racional, sem auxílio de qualquer empatia para com o psiquismo do paciente. * Texto originalmente publicado e...





Documentos relacionados