Os experimentos da guatemala Reportar como inadecuado




Os experimentos da guatemala - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental 2011, 14 4

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental ISSN: 1415-4714 psicopatologiafundamental@uol.com.br Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental Brasil Os experimentos da Guatemala Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, vol.
14, núm.
4, diciembre, 2011, pp.
699710 Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=233021455009 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Rev.
Latinoam.
Psicopat.
Fund., São Paulo, v.
14, n.
4, p.
699-710, dezembro 2011 Os experimentos da Guatemala* Hospital Psiquiátrico Em janeiro de 1947, quatro meses antes do início de qualquer dos experimentos de exposição intencional na Penitenciária, e um mês antes do início de tais experimentos no Exército da Gatemala, o Dr.
Cutler aconselhou o Dr.
Mahoney sobre suplementar o desenho original da pesquisa para incluir experimentos “como a inoculação” no Hospital Psiquiátrico Nacional da Guatemala.
A decisão de realizar lá experimentos de exposição intencional encontrou alguma resistência por parte dos supervisores do Dr.
Cutler, que manifestaram preocupações sobre uma possível reação pública adversa.
Em abril de 1947, antes que qualquer experimento de exposição internacional à sífilis começasse na Penitenciária ou no Hospital Psiquiátrico, o Dr.
Arnold escreveu ao Dr.
Cutler que ele estava “um pouco temeroso, em verdade, mais que um pouco temeroso do experimento com os insanos” já que “eles não podem dar o consentimento” e “não sabem o que está se passando.”.
O Dr.
Arnold parecia preocupado, antes de mais nada, com a exposição à critíca, porque se “alguma o...





Documentos relacionados