Sobre a eficiência dos índices de ações brasileiros Reportar como inadecuado




Sobre a eficiência dos índices de ações brasileiros - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Ricardo Dias de Oliveira Brito ;Revista de AdministraçãoRAUSP 2007, 42 1

Autor: Cristina Elizabeth M. Hagler

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Revista de Administração - RAUSP ISSN: 0080-2107 rausp@edu.usp.br Universidade de São Paulo Brasil M.
Hagler, Cristina Elizabeth; Dias de Oliveira Brito, Ricardo Sobre a eficiência dos índices de ações brasileiros Revista de Administração - RAUSP, vol.
42, núm.
1, enero-marzo, 2007, pp.
74-85 Universidade de São Paulo São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=223417433007 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Sobre a eficiência dos índices de ações brasileiros RESUMO Cristina Elizabeth M.
Hagler Ricardo Dias de Oliveira Brito Neste artigo, examina-se a eficiência em média-variância de alguns índices brasileiros utilizados como referencial para os fundos passivos.
A eficiência do Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa), do Índice Brasil (IBX50) e do Índice da Fundação Getulio Vargas (FGV100) é exaustivamente testada contra diferentes conjuntos de carteiras e para diferentes subperíodos durante o intervalo de junho 1989 a julho 2003, de acordo com a abordagem de Gibbons, Ross e Shanken (1989) e Shanken (1986).
A maioria dos testes rejeita a eficiência desses índices, indicando sua inadequação como referenciais para a gestão passiva. Recebido em 15-março-2005 Aprovado em 07-abril-2006 Palavras-chave: eficiência da carteira, CAPM, zero-beta CAPM, teste Wald, índices brasileiros de ações. 1.
INTRODUÇÃO A prescrição básica em gestão de investimentos, desde Markowitz (1952), é de carregar carteiras que apresentem uma relação risco-retorno esperado eficiente perante o conjunto de ativos disponíveis.
Afinal, para investidores avessos ao risco, uma estratégia de investimento é ótima somente se não for dominada por outra carteira ...





Documentos relacionados