Fique vivo: cidadania e prevenção de aids com jovens da febem – reflexões de uma prática Reportar como inadecuado




Fique vivo: cidadania e prevenção de aids com jovens da febem – reflexões de uma prática - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Temas em Psicologia 2013, 21 3

Autor: Fernando Silveira

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=513751772005


Introducción



Temas em Psicologia ISSN: 1413-389X comissaoeditorial@sbponline.org.br Sociedade Brasileira de Psicologia Brasil Silveira, Fernando Fique Vivo: Cidadania e Prevenção de Aids com Jovens da Febem – Reflexões de uma Prática Temas em Psicologia, vol.
21, núm.
3, diciembre, 2013, pp.
723-733 Sociedade Brasileira de Psicologia Ribeirão Preto, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=513751772005 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto ISSN 1413-389X Temas em Psicologia – 2013, Vol.
21, nº 3, 723-733 DOI: 10.9788-TP2013.3-EE03PT Fique Vivo: Cidadania e Prevenção de Aids com Jovens da Febem – Reflexões de uma Prática Fernando Silveira1 Departamento de Psicologia Social da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil Resumo O presente relato de experiência visa a refletir sobre um trabalho realizado com jovens homens em conflito com a lei privados de liberdade e que teve inicialmente seus objetivos voltados para a prevenção às DST-aids, mas que, a partir das primeiras experiências, precisou ser reorientado para que fosse possível trabalhar com temas emergentes dessa população.
Foi necessário trabalhar com o jovem e sua relação com a própria vida e a vida de terceiros para que fosse possível realizar trabalhos de prevenção mais específicos.
Este trabalho só foi possível a partir do momento em que a realidade desses jovens pôde ser ouvida e as atividades propostas puderam levar em consideração a subjetividade deles e a sua condição de alto nível de vulnerabilidade individual, social e programática.
O trabalho sempre envolveu além dos jovens, os diversos agentes institucionais responsáveis pela execução da medida sócio-educativa de internação.
Em muitos casos...





Documentos relacionados