Nem tudo é plágio, nem todo plágio é igual: infrações éticas na comunicação científica Reportar como inadecuado




Nem tudo é plágio, nem todo plágio é igual: infrações éticas na comunicação científica - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Debora DINIZ ;Argumentum 2011, 3 1

Autor: Ana Terra Mejia MUNHOZ

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=475547532006


Introducción



Argumentum E-ISSN: 2176-9575 revistaargumentum@yahoo.com.br Universidade Federal do Espírito Santo Brasil Terra Mejia MUNHOZ, Ana; DINIZ, Debora Nem tudo é plágio, nem todo plágio é igual: infrações éticas na comunicação científica Argumentum, vol.
3, núm.
1, enero-junio, 2011, pp.
50-55 Universidade Federal do Espírito Santo Vitória, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=475547532006 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto DEBATE Nem tudo é plágio, nem todo plágio é igual: infrações éticas na comunicação científica Not everything is plagiarism, plagiarism is not all the same: ethical infractions in scientific communication Ana Terra Mejia MUNHOZ* Debora DINIZ** O tema do plágio suscita reações intensas.
Seja no ambiente restrito da sala de aula, seja no contexto amplo da comunicação científica, não se fica indiferente ao flagrante de um caso de plágio, que gera desde a frustração e indignação até o mais grave sentimento de ultraje.
Talvez por isso o discurso sobre essa prática se mostre tão rico em metáforas e analogias: nos artigos deste debate, assinados por Newton Narciso Gomes Junior, Hélder Boska de Moraes Sarmento e Paulo Rogério Meira Menandro, o plágio é tratado como “ato de vilania”, “golpe de estelionato”, “falsificação de autoria”, “rapinagem”, “usurpação”, “mecanismos de corrupção”, “ardis”, “dissimulação”, “soluções ilícitas” e “fraude intelectual”.
Esses são termos também encontrados na literatura sobre o tema e, não raro, o campo semântico dos adjetivos que qualificam o plágio é o mesmo daqueles que descrevem o crime, embora nossa aposta seja a de tratá-lo não como objeto de ...





Documentos relacionados