Páginas de cultura, resistência e submissão: livros na revista visão 1968-1978 Reportar como inadecuado




Páginas de cultura, resistência e submissão: livros na revista visão 1968-1978 - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Em Questão 2007, 13 2

Autor: João Elias Nery

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=465645957008


Introducción



Em Questão ISSN: 1807-8893 emquestao@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil Nery, João Elias Páginas de cultura, resistência e submissão: livros na revista Visão (1968-1978) Em Questão, vol.
13, núm.
2, julio-diciembre, 2007, pp.
283-297 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=465645957008 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Páginas de cultura, resistência e submissão: livros na revista Visão (1968-1978) João Elias Nery RESUMO Esse artigo enfoca como a revista Visão, uma publicação que ao longo de sua trajetória construiu uma “marca” de esquerda, contando com um conjunto de jornalistas e colaboradores identificados com posições políticas de esquerda, elaborava a seção de resenha de livros durante o período de vigência do AI-5.
A análise desse material (em especial resenhas do ano de 1973, período em que Vladimir Herzog coordenava a equipe de jornalistas) demonstra como a defesa da liberdade para a produção cultural e a crítica à cultura de massa se fizeram presentes nas páginas da revista que apresentava uma visão conflitante com aquela pretendida pelo regime. Em Questão, Porto Alegre, v.
13, n.
2, p.
283-297, jul-dez 2007 . PALAVRAS-CHAVE: Mercado editorial brasileiro.
Censura a livros. 283 1 AI-5 Censura e cultura da mídia: um olhar retrospectivo O passado é um outro país, mas deixou sua marca nos que o habitaram.
Marcou também os que eram demasiadamente jovens para havê-lo conhecido a não ser por ouvir dizer, ou mesmo numa civilização estruturada de maneira a-histórica, para tratá-lo como coisa banal, [.] (HOBSBAWM, 2002, p.21) Este artigo aborda o tema censura...





Documentos relacionados