O acompanhamento terapêutico no cuidado em saúde mental Reportar como inadecuado




O acompanhamento terapêutico no cuidado em saúde mental - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Magda Dimenstein ;Estudos e Pesquisas em Psicologia 2008, 8 3

Autor: Thaís Azevedo

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=451844627008


Introducción



Estudos e Pesquisas em Psicologia E-ISSN: 1808-4281 revispsi@gmail.com Universidade do Estado do Rio de Janeiro Brasil Azevedo, Thaís; Dimenstein, Magda O Acompanhamento Terapêutico no cuidado em Saúde Mental Estudos e Pesquisas em Psicologia, vol.
8, núm.
3, julio-diciembre, 2008, pp.
658-671 Universidade do Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=451844627008 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto ARTIGOS O Acompanhamento Terapêutico no cuidado em Saúde Mental Therapeutic accompaniment at mental health care Thaís Azevedo Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN - Rio Grande do Norte, Brasil Magda Dimenstein* Professora do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN-Rio Grande do Norte, Brasil. Pesquisadora do CNPq Resumo Este trabalho objetivou investigar as demandas de portadores de transtornos mentais (PTM) no processo de reabilitação psicossocial referentes aos cuidados cotidianos, à relação com a comunidade, à ida ao ambulatório e circulação na cidade.
Além disso, conhecer as dificuldades vividas pelo familiar (cuidador) nesse processo e em que medida se beneficiaria com o auxílio do acompanhamento terapêutico-AT.
O AT consiste em uma prática exercida para além dos espaços fechados do hospital, geralmente em locais públicos da cidade.
Isto é, a rua como espaço clínico do AT diminuiria o tempo de permanência dos usuários em casa e sua dependência em relação aos cuidadores, os quais têm a responsabilidade compartilhada com o AT.
A função de passagem desta prática contribuiria também para desconstrução de figuras já cronificadas pelo usuári...





Documentos relacionados