A construção de um sentido de -caipira- no -jeca tatu- de monteiro lobato Reportar como inadecuado




A construção de um sentido de -caipira- no -jeca tatu- de monteiro lobato - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Espaço Plural 2007, VIII 16

Autor: Leandro Dalcin Castilha

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=445944358010


Introducción



Espaço Plural ISSN: 1518-4196 espacoplural@yahoo.com.br Universidade Estadual do Oeste do Paraná Brasil Dalcin Castilha, Leandro A construção de um sentido de “caipira” no “Jeca Tatu” de Monteiro Lobato Espaço Plural, vol.
VIII, núm.
16, enero-junio, 2007, pp.
71-74 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Marechal Cândido Rondon, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=445944358010 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto P rimeiros passos A construção de um sentido de “caipira” no “Jeca Tatu” de Monteiro Lobato Leandro Dalcin Castilha* 1- INTRODUÇÃO Monteiro Lobato, conhecido escritor brasileiro, é conhecido por produções textuais que vão desde os primórdios da Literatura infanto-juvenil nacional até as denúncias sociais efetivadas por meio de textos e artigos jornalísticos, os quais revelam as posições do sujeito no discurso, demarcadas por um espaço ideológico específico que caracteriza a formação discursiva do cenário rural brasileiro do início do século XX, mais precisamente o interior de São Paulo. 2- A POSIÇÃO SOCIAL DO “CAIPIRA LLOBA OBA T O” OBAT Nascido em 18 de abril de 1882, na cidade de Taubaté, interior de São Paulo, José Renato Monteiro Lobato, filho e neto de fazendeiros, já desde criança adorava os livros de seu avô materno, Visconde de Tremembé. Sua mãe o alfabetizou.
Teve depois um professor particular e, aos sete anos, entrou num colégio e logo leu tudo o que havia para crianças em língua portuguesa. Aos 18 anos entrou para a Faculdade de Direito por imposição do avô, pois preferia a Escola de Belas-Artes.
Após formar-se Bacharel em Direito foi nomeado promotor, no entanto, no decorrer de sua vida profissional...





Documentos relacionados