As cartas também constroem a história: potencialidades em uma conversa vinda do passado Reportar como inadecuado




As cartas também constroem a história: potencialidades em uma conversa vinda do passado - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Revista do Instituto de Estudos Brasileiros 2016, 64

Autor: Fernando Munhós

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=405646788016


Introducción



Revista do Instituto de Estudos Brasileiros ISSN: 0020-3874 revistaieb@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Munhós, Fernando As cartas também constroem a história: potencialidades em uma conversa vinda do passado Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, núm.
64, 2016, pp.
336-342 Universidade de São Paulo São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=405646788016 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto As cartas também constroem a história: potencialidades em uma conversa vinda do passado [ Letters also build the history: potentialities in a conversation from the past Fernando Munhós1 MONTE, Vanessa Martins do.
Correspondências paulistas: as formas de tratamento em cartas de circulação pública (1765-1775).
São Paulo: Fapesp, Humanitas, 2015, 519 páginas. A carta, enquanto gênero discursivo oferecido aos pesquisadores como fonte documental de outros tempos e espaços, cumpre papel de relevo nas ciências humanas.
As diversas áreas do conhecimento preocupadas com o passado, distante ou próximo, terão nas missivas ricos vestígios, a partir dos quais se pode investigar um tempo que não é o nosso.
O estudo da carta vem ganhando relevo nos estudos universitários nas últimas décadas.
Como gênero pouco louvável, como escrita não ficcional – secundária na mentalidade editorial –, ou como portador da máxima maleabilidade que lhe é atribuível –, pode caminhar do estilo mais complexo e rebuscado ao mais simples e desleixado, sem nenhum entrave –, esse, que é dentre os dispositivos discursivos o mais comum e corriqueiro, foi também o mais subestimado.
Não é como a poesia, que possui um valor “estético” em si, ou como o documento oficial, o despacho, ...





Documentos relacionados