Avaliação do impacto da prematuridade na saúde mental de puérperas Reportar como inadecuado




Avaliação do impacto da prematuridade na saúde mental de puérperas - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Rodrigo Sanches Peres ; Manoel Antônio dos Santos ;Psico-USF 2012, 17 3

Autor: Marina de Souza Filho Favaro

Fuente: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=401036091012


Introducción



Psico-USF ISSN: 1413-8271 revistapsico@usf.edu.br Universidade São Francisco Brasil de Souza Filho Favaro, Marina; Sanches Peres, Rodrigo; dos Santos, Manoel Antônio Avaliação do impacto da prematuridade na saúde mental de puérperas Psico-USF, vol.
17, núm.
3, diciembre, 2012, pp.
457-465 Universidade São Francisco São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=401036091012 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Psico-USF, Bragança Paulista, v.
17, n.
3, p.
457-465, set.-dez.
2012 457 Avaliação do impacto da prematuridade na saúde mental de puérperas Marina de Souza Filho Favaro – Centro Universitário de Araraquara, Araraquara, São Paulo, Brasil Rodrigo Sanches Peres – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil Manoel Antônio dos Santos – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil Resumo O presente estudo tem como objetivo comparar a ocorrência de sintomas de ansiedade e depressão em mães de bebês prematuros e mães de bebês a termo.
Trata-se de um estudo transversal, descritivo, de abordagem quantitativa.
As participantes (n=40) foram submetidas à avaliação de rastreamento executada como rotina pelo Serviço de Psicologia de um hospital filantrópico do interior paulista mediante a aplicação da Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (HAD). Constatou-se que, entre as mães de bebês prematuros, 75% apresentavam sintomas clinicamente significativos de ansiedade e 50% apresentavam sintomas clinicamente significativos de depressão.
Já entre as mães de bebês a termo, 65% não apresentavam sintomas clinicamente significativos de ansiedade e tampouco depressão.
Ademais, a superioridade da pontuação média ...





Documentos relacionados