Reservas extrativistas: limites e contradições de uma territorialidade seringueira Reportar como inadecuado




Reservas extrativistas: limites e contradições de uma territorialidade seringueira - Descarga este documento en PDF. Documentación en PDF para descargar gratis. Disponible también para leer online.

Carlos Frederico Bernardo Loureiro ;Theomai 2009, (20)

Autor: Cláudia Conceição Cunha

Fuente: http://www.redalyc.org/


Introducción



Theomai ISSN: 1666-2830 theomai@unq.edu.ar Red Internacional de Estudios sobre Sociedad, Naturaleza y Desarrollo Argentina Conceição Cunha, Cláudia; Bernardo Loureiro, Carlos Frederico Reservas extrativistas: limites e contradições de uma territorialidade seringueira Theomai, núm.
20, 2009, pp.
169-185 Red Internacional de Estudios sobre Sociedad, Naturaleza y Desarrollo Buenos Aires, Argentina Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=12415108010 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Reservas extrativistas: limites e contradições de uma territorialidade seringueira Cláudia Conceição Cunha1 Carlos Frederico Bernardo Loureiro2 Introdução A criação de Reservas Extrativistas (Resex), concebidas pelo Movimento Seringueiro na década de 1980, representou a principal conquista de um movimento que, oriundo da floresta amazônica, articulava-se com outros movimentos contra-hegemônicos de luta pela terra e de garantia de um modo de vida e cultura autônomos.
Em função de seu histórico no enfrentamento de um modelo de desenvolvimento que valoriza a propriedade individual da terra para fins de acumulação de capital, em detrimento à propriedade e uso coletivos, as Resex se apresentaram como uma das estratégias Doutoranda em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social (Programa EICOS-Instituto de Psicologia-UFRJ) e Analista Ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – Ibama-Acre; Rua Veterano Manoel de Barros, 320, Jardim Nazle, Rio Branco, Acre, CEP 69917-150.
E-mail: cccunha@hotmail.com 2 Doutor em Serviço Social pela Universidade Federal do rio de Janeiro, Professor dos Programas de Pós-Graduação em Educação (FE-UFRJ) e em Psicossociolo...





Documentos relacionados